Arauto do Segundo Convite Volume 10 – janeiro de 2022

Artigo 1: Mensagem de Ano Novo (Pelo Profeta Maurício Artur Berger)

Artigo 2: Mensagem do Presidente Piffero (Pelo Ronaldo Piffero)

Artigo 3: Abordagem com amor (Pelo Presidente Woodby)

Artigo 4: Acautelai-vos daqui por diante (Pelo Elder Gleuton França)

PortugueseHeraldWithFlame

Volume 10, Artigo 1 -janeiro de 2022: escrito por Profeta Maurício Artur Berger

Mensagem de Ano Novo

Bem que eu gostaria de ser arauto de boas notícias para este ano que se inicia, mas como profeta do Altíssimo, não posso mentir a seu povo. Contudo, trago revigoramento para aqueles que ao atenderem ao comando desta mensagem, encontrarão força e ascenderão, quais águias em 2022.

— Isaias 40:31

1 - Antes, porém, é importante olharmos para trás e, dada a situação em que nos encontramos, com as constantes mudanças climáticas e o aumento dos desastres naturais em nosso planeta, considero fundamental começarmos com a COP26, ocorrida em novembro de 2021, em Glasgow, na Escócia, onde questões climáticas de alta relevância foram amplamente debatidas entre líderes de vários países, que relataram que a Covid-19 não foi o único desafio que a humanidade teve que enfrentar nos últimos dois anos.

2 - Os seres humanos também enfrentaram ciclones, secas, inundações, furacões em Nova York, cinquenta graus no Canadá, inundações na China, Alemanha e outros países. Incêndios em países como Grécia, Austrália e Rússia e, se isso não bastasse, pragas de gafanhotos na África Oriental, Oriente Médio, Sul da Ásia e América do Sul.

3 - Sobre o fenômeno se repetir em tantos países e praticamente ao mesmo tempo, disse o pesquisador sênior das Nações Unidas, Keith Cressman, que se trata apenas de uma "coincidência".

4 - Coincidência ou não, nestes dois anos presenciamos na TV os piores desastres naturais dos últimos tempos, junto com a pandemia do coronavírus, que causou a morte de milhões de pessoas e provocou uma enorme crise global na saúde e na economia, totalizando milhões de desempregados e milhares de empresários falidos em todo o mundo.

5 - Por último e com mais força, batendo às portas da Nova Jerusalém, tivemos uma série de mais de 36 tornados durante a noite de sexta-feira, 10 de dezembro de 2021, que deixaram um rastro de destruição em seu caminho. Os estados mais afetados, conforme relatado pelo presidente dos EUA Joe Biden na TV, foram cinco, mas o número total de estados atingidos naquela noite foram seis. Autoridades em Missouri, Arkansas, Tennessee, Kentucky e Illinois relataram danos estruturais massivos e milhares de desabrigados e dezenas de mortos, enquanto Andy Beshear, governador do estado de Kentucky, disse que era "indescritível o nível de devastação, diferente de tudo que ele tinha visto antes”. E, como na parábola do ladrão, explicada por Cristo em Mateus 24: 42-44, chegou sem alarde, de modo que o primeiro aviso emitido pelo Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA foi às 21h05 de sexta-feira, 22 minutos depois o tornado atingiu Anfield e causou tanta desolação como nunca antes nesta época do ano, pegando a todos de surpresa.

— O que, afinal, estes fenômenos têm em comum?

6 - Eles principiaram a ocorrer após a revelação que o Senhor entregou ao seu povo em março de 2020, na qual profetizou detalhadamente que todos esses eventos descritos acima, ocorreriam a partir de então, com a chegada de uma doença que varreria a Terra e superlotaria hospitais em todo o mundo, causando a morte de milhares de pessoas.

7 - Esta revelação em questão, que me foi ditada pelo Senhor Jesus Cristo, e que está disponível na internet para qualquer pessoa ler e acordar para o que está por vir antes que seja tarde, foi amplamente ridicularizada pelos meus inimigos nas redes sociais.

8 - No entanto, dois anos após a sua divulgação na conferência de abril de 2020, verifica-se que não houve um único ponto nela descrito, que não tenha sido cumprido em seus pormenores.

9 - Tudo principiou-se com a revelação recebida entre 19 à 27 de março de 2020, na qual o Senhor informa no versículo 31: “... eis que eu, o Senhor, suscitarei um líder para meu povo, sim, um servo Davídico (...) para dirigir meu povo em Utah sob a tutela de meu profeta e, entre eles, Eu suscitarei um – o qual será um poderoso e forte em minha casa.”

10 - Seis meses depois, isso veio a se cumprir, quando na conferência geral de novembro de 2020, o Senhor revela ao seu profeta, diante dos olhos de todos que ali estavam, estes dois homens; John Paul Pratt, como um servo Davídico e John Steve Woodby, como um poderoso e forte, ao dizer:

“Porquanto agora, vos dou a conhecer os nomes daqueles que vos revelei anteriormente, como sendo um Servo Davídico e Um Poderoso e Forte a suster os braços de meu servo Maurício, na presidência de minha Igreja nesses últimos dias. Assim como foi nos primórdios da restauração, quando eu o Senhor, nomeei e chamei, Sidnei Rigdon e Jesse Gause, como conselheiros de meu servo Joseph, a fim de estabelecerem entre meu povo a lei de consagração.”

— Com que finalidade o Senhor forma sua presidência chamando esses dois homens para estabelecer a lei da consagração entre seu povo a partir de novembro de 2020?

11 - A revelação explica dizendo: “... pois eis que meu dia está às portas e se aproxima rapidamente, quem pois poderá suportar o Dia de minha vinda? (...) Razão pela qual vos tenho encorajado a erigir a Ordem Unida, qual arca de Noé a vos salvar nos últimos dias.”

12 - De formas que, a Ordem Unida só pode ser erigida mediante a lei de Consagração, que a partir dessa revelação, seria estabelecida pela Primeira Presidência entre o povo do Segundo Convite.

13 - Além disso, vimos ao longo deste ano, que termina hoje, as revelações do Senhor persistirem em apontar para esse mesmo propósito, como se pode ler na revelação obtida entre 10 à 12 de abril de 2021, que menciona o seguinte:

“… que tão logo se instaure a grande tribulação, mediante a desolação que irá cercar a nova Jerusalém, possa, com os recursos em conjunto, abrigar por um tempo aqueles que terão que abandonar suas heranças na terra de minha vinha, assim como dantes vos revelei.”

14 - Isso só será possível, caso cada um de nós, de forma individual, esteja desde já, determinado a tratar com seriedade o Livro Selado e os mandamentos revelados que nos foi dado no tempo atual, de forma que lemos na revelação obtida entre 30 de junho à 02 de julho de 2021, sobre Dízimo e Consagração, no versículo 18 que diz: “por não cumprirem esses mesmos princípios (...), foi que decretei [ao povo do primeiro convite] o que tendes hoje como sendo a seção 84:23-29; 52- 58 (LDS).

15 - Sendo que no versículo 22 o Senhor diz: “... Pois eis que, rapidamente se aproxima a hora em que (...) nenhum de vossos bens retidos por vós, para vossa segurança pessoal, terá valor algum para vossa salvação quando este dia chegar. (...) Razão pela qual vos tenho encorajado a erigir a Ordem Unida, qual arca de Noé a vos salvar nos últimos dias.”

— Mas como o povo brasileiro pode esperar que construamos essa Arca de Noé, se este povo, privilegiado pelos céus neste Segundo Convite, não se apresenta ante o Senhor com seus dízimos e consagrações, com exceção de alguns poucos irmãos? Ao contrário dos americanos que geralmente cumprem corretamente este mandamento.

16 - Talvez eles, os americanos, estejam mais familiarizados aos perigos que tão rapidamente se aproximam, pois, embora todos nós aqui no Brasil tenhamos visto o Coronavírus adentrar as “portas” de nossa nação e os umbrais de nossos próprios lares, não conseguimos dimensionar como eles, os perigos de um tornado simplesmente por assistirmos pela televisão, assim como ocorreu com a devastação deixada pelos tornados que varreram a parte sudeste e centro-sul dos Estados Unidos numa sexta-feira, neste último mês de 2021. Os quais vivenciaram de perto tais devastações, onde muitos americanos em estados vizinhos, sendo alguns conhecidos de nossos irmãos no Missouri, perderam tudo da noite para o dia, assim como profetizado na referida revelação que diz: “assim que a coisa que causa desolação cercar a Nova Jerusalém, saibam que nenhum de vossos bens retidos por vós, para vossa segurança pessoal, terá valor algum para vossa salvação quando este dia chegar”.

17 - Contudo, atentem para estas minhas palavras, pois a revelação não está somente se dirigindo aos americanos, mas a todos aqueles que se filiaram a esta Igreja, seja no Brasil, Austrália e outros países, e que tão logo vão precisar entrar na arca de Noé, qual Ordem Unida, para salvar a si e suas famílias.

— Como vai ser se este dia chegar, de acordo com o cronograma divino, e nós não tivermos nem mesmo erigido as lavouras para enriquecer esta obra, assim como Jesus requiriu que fizéssemos na revelação desta última conferência?

18 - Não só isso, também foi ouvido nesta última conferência, as palavras do Senhor proferidas pela boca de seu profeta no púlpito novamente, nas quais ele mostra claramente que todos os meus esforços para estabelecer a Ordem Unida no ano de 2019 e 2020 foi um esforço em vão, pois como o Senhor revelou nesta ocasião: “...aqueles que assentiram para com o eterno convênio da Ordem Unida, passaram a transgredir o real propósito dos investimentos advindos das Consagrações de meu povo, o qual tem o propósito de gerar recursos para a expansão de minha obra — razão pela qual, passaram a contrair uma dívida de gerações para comigo, o Senhor, ao usarem os recursos de minha obra para estabelecer negócios que até agora, visaram unicamente seus próprios interesses.”

19 - Perceba que foi o próprio Senhor, Jesus Cristo, que falou ao seu povo do púlpito, solicitando que aqueles que concordaram em receber fundos para estabelecer um negócio em parceria com a Ordem Unida, deveriam a partir de agora cumprir suas obrigações com a vinha do Pai, e se isso não bastasse, Ele pediu que suas autoridades: “adquiram esta propriedade e terras para empreender no agronegócio, a fim de gerar riqueza para minha obra e para edificar uma comunidade inteiramente autossustentável e capaz de amparar meu povo frente as calamidades que virão.”

— Contudo, quando que as autoridades gerais vão se reunir para tratar desse assunto de importância primária para o Senhor?

— Ao não priorizarmos isso até agora, não estamos tratando com leviandade esta última revelação?

— Ou, será que este povo não compreende que era o próprio Cristo que estava ali naquele púlpito, ditando a mim, que estava a atuar como seu porta-voz naquele momento, ditando as palavras que Ele queria que seu povo e suas autoridades cumprissem a partir de então?

— Não seriam esses 36 tornados nos portões do Missouri um sinal de alerta para apressarmos o que o Senhor exigiu de nós desde que Moroni me visitou, junto com as três testemunhas?

20 - Assim foram transcritas as palavras gravadas das falas de Moroni, no que hoje é o versículo 36, que diz: “... Por sua vez a igreja em Sião não será grande naquele local por Cristo designado, pois assim que vier aquilo que causa tribulação, o povo de Sião deve ser auxiliado por vós [o povo do Brasil] a sair daquele local antes que lhes sobrevenha a repentina destruição (D&C 101: 1-23); portanto sereis grande a partir do Brasil em todos lugares da América do Sul e quando for a hora de regressares às terra de Sião, então tereis recursos sobejando para reconstruir seus lugares desolados.”

21 - Com a recusa do povo em atender ao comando de Deus, vez após vez, desde que começou este Segundo Convite, é difícil, do meu ponto de vista humano, vislumbrar tal progresso proposto pelo céu, cujo ápice será o de ajudar, a partir do Brasil, aqueles nossos irmãos da estaca central de Sião (EUA), quando tiverem que deixar as terras de sua herança, e que, quando chegar a hora de retornar a Sião, teremos recursos suficientes para reconstruir seus lugares desolados.

22 - Contudo, assim como consta na revelação de março de 2020, “aqueles que verdadeiramente crerem no registro selado não serão confundidos, e saberão que Deus está no meio deles.”

23 - Em relação a estas palavras, de que “saberão que Deus está no meio deles”, eu diria aos santos deste Segundo Convite que aspiram um ano melhor para si e sua família em 2022, o mesmo que fora escrito no livro de Isaías capítulo 40, versículo 31, que diz: “aqueles que esperam no SENHOR renovarão as suas forças e ascenderão com asas, assim como águias” acima de seus problemas.

24 - Um dos grandes males daqueles que afirmam esperar em Deus, mas não obtém Dele nenhuma ajuda para sobrepor-se acima de seus problemas na vida, é porque que ignoram a natureza de seus convênios, leis e mandamentos, os quais, trazem consigo, mediante sua observação e cumprimento, uma ajuda invisível, procedente do mundo espiritual.

25 - Da mesma forma, vemos águias com suas asas estendidas, esperando por uma força invisível que possa erguê-las até as alturas, como bem descreve o profeta Isaías.

26 - De igual forma, eu vos desafio a serem cumpridores das palavras reveladas nestes últimos dias, tanto do Livro Selado, bem como das revelações que nos foram entregues por Cristo, a fim de sermos um povo peculiarmente abençoado pelos céus em 2022.

27 - E, somente dessa forma, agindo em conformidade com a vontade revelada por Cristo, é que seremos como águias, cujo voo ilustra muito bem como a força proveniente do Espírito de Deus pode erguer-nos em sentido espiritual e emocional acima de toda e qualquer adversidade na vida.

28 - Pois, assim como as águias não podem se elevar às alturas que costumam atingir com sua própria força, mas somente pelo fluxo das correntes ascendentes de ar quente que as fazem planar, nós tão pouco teremos condições de lidar, mediante nossa limitada capacidade humana, com as situações difíceis que a partir de 2022 sobrevirão à toda humanidade. Contudo, como profeta e porta voz de Deus neste Segundo Convite, vos asseguro meus amados irmãos e irmãs, que se esperarmos com asas estendidas, ao cumprir seus mandamentos, assim como bem escreveu Isaías, podemos estar seguros de que jamais cairemos, mas antes, encontraremos a força invisível de Deus que há de nos erguer, e como águias, haveremos de nos elevar sobre todas as coisas, obtendo “força em virtude daquele que nos confere poder”, assim como descrito na epístola de Paulo aos Filipenses, capítulo 4, versículo 13.

29 - Tende, portanto, bom ânimo ao adentrar este novo ano que se inicia, abra as asas de sua fé, torne-se cumpridor da vontade revelada por Cristo neste Segundo Convite, e espere pelo poder onipotente procedente do Espírito do Deus Todo Poderoso ao qual servimos, pois se fores fiel, então não há nada do que temer neste próximo ano.

AMEM

PortugueseHeraldBanner

Volume 10, Artigo 2 -janeiro de 2022: escrito por Ronaldo Piffero

Mensagem do Presidente Piffero

Chegando os dias finais de 2021, com 2022 às portas, faço uma reflexão sobre o que passou e sobre aquilo que está por vir.  O ano de 2021 foi, talvez, o ano mais importante para mim e minha família. Depois de acompanhar desde o princípio a trajetória do irmão Maurício na obra do Senhor, com todas as apreensões e encantos, tal como um pai observa o caminho de um filho, recebi do Senhor o chamado para, junto com o irmão Steve Woodby, levantar os braços do profeta. Bastante assustado pela surpresa, tive, devo confessar, vontade de fugir, mas o espírito me deu a clareza necessária repentinamente, e então, tal qual Isaias em Isaias 6:8 eu disse: “Eis-me aqui Senhor. Envia-me.”

Desde esse dia meu coração, meu cérebro e todo o meu ser viu-se inundado por um enorme apreço por essa obra tão importante, por uma vontade de ajudar o profeta, os irmãos e irmãs, e qualquer pessoa que necessite. Minha vida mudou, fiquei mais feliz, com um propósito grandioso na vida, que vai além de acordar, trabalhar e executar as tarefas rotineiras do cotidiano.

Pensando em tudo isso, e nas conversas que tive com o Profeta sobre a nossa trajetória e missão nesta vida, chego à conclusão de que todos somos chamados, de uma forma ou de outra, em vários momentos de nossa vida. O Pai sempre nos chama, nos repreende, nos aconselha. Nunca nos abandona. Não existem órfãos do Pai. Ele está sempre presente. Basta querermos ver.

Chegamos ao mundo como uma pedra bruta, precisamos ir nos lapidando ao longo da vida, e mais ainda, quando encontramos a vereda divina. Nesse momento nossa responsabilidade aumenta. A partir do conhecimento, não temos mais a desculpa da ignorância.  Sem ter a pretensão de ser perfeito, temos a obrigação de nos aperfeiçoarmos como seres humanos, melhorar um pouquinho a cada dia, ou pelo menos, tentar. Não podemos continuar ignorando nossos defeitos e não alimentando nossas virtudes.  Mas como agir com tamanho desafio? Como saber se estou no caminho certo, se estou vivendo à altura de tamanho chamado? Em que momento devo acender o alerta vermelho para indicar que estou agindo errado para com o chamado divino que me convidou a mudar e cujo convite aceitei? Vamos refletir:

Deus quando nos mandou para esse mundo, não nos mandou às cegas, sem rumo. Ele nos capacitou para a jornada e nos equipou com uma ferramenta extremamente importante, capaz de nos mostrar exatamente em que situação estamos, acender o alerta vermelho quando erramos o caminho e precisamos corrigir a rota. Temos um GPS muito, muito eficaz, que funciona em sintonia com todo nosso ser, corpo, mente, alma, espírito. Esse GPS são os nossos sentimentos. Eles, tal qual um GPS em um carro, que conectado a um satélite, indica o caminho a seguir ao motorista, conectam nosso coração ao nosso cérebro, e nos indicam o caminho a seguir na vida, dizendo: “Vire à esquerda desse mau sentimento”, “retorne na próxima oportunidade dessa má ação”,   e assim, nos dão a oportunidade de  conduzir nossa vida na vereda correta, que nos trará felicidade e nos aproximará do Pai e de nossos irmãos e irmãs.

Sabemos se estamos doentes fisicamente porque sentimos dor, ou algum desconforto. O alerta vermelho acende. Da mesma maneira, o alerta vermelho de nosso comportamento são os nossos sentimentos. Quando estamos equilibrados mental e espiritualmente, em paz com Deus e com os outros, ficamos tranquilos, serenos. Quando fazemos o bem, somos tomados por um sentimento de felicidade, diretamente proporcional ao tamanho da boa ação feita. Quem já não sentiu uma grande felicidade, uma euforia interior, quando conseguiu resolver um grande problema de alguém, quando alimentou uma família necessitada e viu, que pelo menos naquele momento, tinha aliviado a carga daquele irmãozinho ou irmãzinha? Da mesma maneira, quando fazemos algo errado, seja do tamanho que for o erro, acende-se o alerta vermelho, imediatamente. Sabemos que é errado, que estamos tendo maus pensamentos, maus sentimentos, mesmo que persistamos no erro, seja porque motivo for. Quem até hoje não falou mal de alguém e depois se arrependeu? Ficou triste, apreensivo?  Quem não teve um acesso de ira e se sentiu culpado?  Dentro de nós, uma voz nos diz:" Ei! isso não está certo. Volte ao programa original". O nosso programa original é sermos amigáveis, gentis, tolerantes, pacientes, amorosos. Lembram das palavras do apostolo Paulo em 1 Coríntios 13:4-7?

“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”

O Livro Selado nos fala muito em aperfeiçoamento, em sentimentos, em fé. O Livro de Moisés é repleto de passagens que nos mostram a importância dessas três palavras em nossas vidas. Moisés 3: 42 nos diz: "Estes mesmos sentimentos foram estabelecidos antes mesmo da fundação do mundo para interagir com a sensibilidade humana, de modo que os filhos dos homens, mesmo sem o Sacerdócio de Deus, possam identificar, em meio à sua natureza carnal, aqueles bons sentimentos que procedem de Deus para orientá-los no caminho da justiça e da caridade”.

Outro texto nos diz: “Para evocar os muitos nomes de Deus, é necessário desenvolver os dons, portanto, os sentimentos correspondentes a cada um deles e, contudo, resguardar vossos corações em relação aos maus sentimentos que vão se interpor em um alvoroço e estupor de pensamentos. A fé, por sua vez, fundamenta os sentimentos corretos, anulando a influência de sentimentos opostos, e isso gera a força do sacerdócio dentro do homem, que, por sua vez, interage no mundo físico. E este é o caminho preparado desde a fundação do mundo, no qual o Filho Unigênito virá ao mundo e glorificará o nome do Pai, dando aos seus discípulos conhecimento destas coisas, preparando o caminho pelo qual outros podem ser participantes deste dom, para que possam ter esperança. E se você tem apenas esperança para que seus sentimentos não sejam abalados, então você terá fé e se você tem essa fé, então você tem em si as chaves para abrir ou fechar todas as situações” (Moisés, 4:23-24).

Então, para finalizar, irmãos e irmãs, tenhamos em mente que por mais difícil que seja nossa luta interna, os nossos sentimentos são nossos guias, são a luz que o Pai nos deu para que iluminemos o nosso caminho e o caminho dos demais, para que juntos, com fé, coragem e persistência, consigamos vencer esse mundo, assim como Jesus Cristo nos ensinou: “Eu vos disse essas coisas, para que tenhais a paz.  No mundo tereis aflições.

Mas tende coragem! Eu venci o mundo!” (João, 16:33).

PortugueseHeraldBanner

Volume 10, Artigo 3 -janeiro de 2022: escrito por Steve Woodby

Abordagem com amor

A Conferência terminou e estamos começando um novo ano. Muitos aproveitam esta renovação anual para fazer resoluções para mudanças e melhorias. Se você estiver disposto, junte-se a mim em uma resolução: Aumentar nossa capacidade de amar nosso Pai Celestial e nosso próximo. Durante a conferência de novembro e dois dias no retiro nas montanhas brasileiras, testemunhamos vistas sublimes de batismos ao longo de um riacho de montanha e uma nova revelação dada por nosso profeta irmão Mauricio Berger. Também convivemos com participantes de outros países até as primeiras horas da manhã, ouvindo seus testemunhos de visões e sonhos que os levaram ao Segundo Convite no Brasil. Oramos, cantamos e nos regozijamos com o espírito de Cristo. Houve muitas lágrimas de amor e alegria quando nos foi dado um vislumbre do que "um coração e uma mente" parecia e sentia. Muitos de nós não queríamos partir.

Fomos afastados do mundo por esta reunião e tivemos poucas distrações, e o espírito do Senhor estava continuamente presente. Era um ambiente rico para crescer e amar. Como podemos recriar esses sentimentos de amor e alegria, ou pelo menos mais deles, em nossas próprias casas? Você já sentiu que alcançou um patamar em seu crescimento ou se viu dizendo: "Eu não quero pensar/sentir isso", reconhecendo velhos padrões de negatividade que permeavam nossas mentes desde os primeiros dias? Vamos resolver mudar, nem que seja pouco a pouco. Consideremos o Primeiro Mandamento:

Mateus 22:37-39 "Disse-lhe Jesus: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo é semelhante a ele: Amarás o teu próximo como a ti mesmo".

Como podemos melhorar? Oração, jejum, meditação, estudo das escrituras, serviço e caridade são apenas alguns dos caminhos que podemos tomar na jornada espiritual deste ano. Na busca de negar o ressentimento, o Livro Selado de Mórmon nos ensina como ter sucesso:

Atos dos 3 Nefitas 8:1 “Tomados, então, pelos mais elevados sentimentos, o povo nefita passou a banir de seu meio todo ressentimento que procedia do maligno, a começar pela mágoa e o rancor; depois a angústia e o medo; a raiva, a cobiça e lascívia; e muitos outros  derivados de Satanás; e, sempre que um sentimento adverso aos  dons celestiais era identificado, se fazia um registro do mesmo  com a finalidade de ser trabalhado nas reuniões da igreja em geral, com a finalidade de ser substituído por aqueles nobres  sentimentos derivados do Dom Maior, proveniente do nome de

nosso Deus, um de cada vez, até que as contendas entre irmãosdeixaram de existir, e não haviam disputas entre o povo nefita”.

Estamos dispostos a seguir este conselho divino de sucesso e fazer o trabalho de campo? Deixe-me compartilhar com vocês uma velha parábola asiática: havia um velho avô sentado com seu jovem neto, e eles observavam dois cães brigando: um cachorro preto e um cachorro branco. Eles eram muito homogêneos em tamanho e habilidade. Depois de um tempo, o jovem perguntou: "Avô, qual vai ganhar?" Depois de um momento de reflexão, ele respondeu: "Aquele que você alimenta". Recordemos que, ao fazer o trabalho, estamos alimentando o espírito incutido em nós por nosso Pai Celestial.

“Livro Selado de Moisés 5:14 “... porque o Senhor havia formado o homem na Terra com propósito de se desenvolver espiritualmente...”

1 João 16-17:19 "E nós conhecemos e acreditamos no amor que Deus tem por nós". Deus é amor; e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele.  Aqui está o amor tornado perfeito em nós, para que possamos ter ousadia no dia do julgamento: pois como ele é, nós também o somos neste mundo.... Nós o amamos, porque ele nos amou primeiro".

Sinto que devo compartilhar uma parte da minha história de conversão de anos atrás e o poder do amor de Deus que veio com ela. Digo isto porque sinto que alguns podem não entender sua magnitude. Toda glória ao Senhor. Tive uma experiência onde recebi o Livro de Mórmon em minha mesa-de-cabeceira e fui confrontado por uma poderosa presença espiritual (não física) que me encheu de amor indescritível. Imediatamente me quebrei em lágrimas, sentindo-me tão cheio deste amor incondicional e avassalador que pensei que ele começaria a sair de minha cabeça. Eu me sentia como se estivesse sendo esticado como um saco plástico cheio de água. Não sei realmente como explicar o que aconteceu em seguida, mas o Espírito colocou muito claramente em meu coração que Deus me amava apesar do que eu pensava, e queria que eu lesse este livro!

Agora que estou familiarizado com o sonho de Lehi e aprendi sobre aquele fruto (o amor de Deus) que é doce acima de tudo, eu sei que é verdade! ACIMA DE TUDO! Em sua presença eu me senti completo, incondicionalmente amado, contente, em paz, não querendo nada mais do que ficar ali para sempre. Na verdade, eu teria dado tudo o que tinha ou esperava ter para permanecer nesse amor.

Sei que sou um servo imerecido, mas que me foi dado um grande presente de misericórdia e amor. Sentir Seu poder indescritível me deu uma nova perspectiva que não só veio com uma poderosa mudança de coração, mas também me mostrou como são pequenos os sacrifícios, provações, fardos e oposição em relação a Seu grande amor.

Em resumo, irmãos e irmãs, resolvamos remover os obstáculos em nosso caminho que nos impedem de crescer mais perto do coração de nosso Salvador, Jesus Cristo.

Se você é um recém-chegado, sentado sozinho, procurando a verdade ou tentando entender o significado desta vida, você NÃO está sozinho. Deus te ama, e nós te amamos, e te convidamos a vir adorar conosco.

PortugueseHeraldBanner

Volume 10, Artigo 4 -janeiro de 2022: escrito por Elder Gleuton França

Acautelai-vos daqui por diante

Deus, em sua infinita bondade, concede aos homens o privilégio e honra de trabalhar na sagrada obra de salvação de Seus filhos. São diversos momentos nas escrituras em que o Senhor é retratado como alguém profundamente dedicado à obra e que está emocionalmente envolvido com os acontecimentos.

No evangelho de Mateus podemos encontrar a parábola dos trabalhadores na vinha (Mt.20:1-16), que, além de mostrar que o Senhor tratará todos da mesma maneira, independentemente da forma e ocasião na qual foram chamados a se envolver nos cuidados da vinha, nos demonstra, também, que o Senhor recompensa os trabalhadores com justiça. (Mt.20:7).

Podemos observar que um valor específico (vers. 2) foi combinado somente com os primeiros a serem chamados; para todos os demais somente foi dito: “recebereis o que for justo.” Surge então a seguinte pergunta: o que definirá a justiça em relação ao trabalho? Seria o tempo trabalhado? Seriam os primeiros mais qualificados a receberem uma recompensa maior do que os últimos, que não trabalharam tanto quanto? Um olhar superficial diria que sim. Todavia, se lembrarmos que o Senhor da vinha está pessoalmente envolvido nos labores do dia e que observa atenta e cuidadosamente cada um “que lança o arado”, pode ele definir quem faz jus ou não ao salário combinado, pois, de acordo com a dedicação, Ele fará justiça.

No livro de Mórmon, percebemos que o critério de dedicação e comprometimento por parte dos servos após o chamado é o que definirá a justiça da recompensa de cada um. A alegoria das oliveiras nos mostra um Senhor da vinha que trabalha lado a lado com os servos, que se alegra com os bons resultados (Jacó 5:75), mas que, de igual modo, lamenta e chora com a perda de bons frutos. (Jacó 5:41). Uma frase repetida durante todo texto é: “sentiria perder essa árvore e seus frutos”. Ela demonstra sentimento genuíno, amor profundo por cada árvore, cada fruto. Os servos seriam “bons e fiéis” se não servissem dessa mesma forma? Outra expressão que é constantemente repetida é: “com todo afinco”. Afinco denota uma conduta firme e persistente.

Sob o olhar do Senhor é requerido que trabalhemos com todo afinco, ou seja, com uma dedicação plena e sem reservas, lado a lado com Ele, persistentemente, de modo que possamos ao final do dia receber o que é justo, pois foi isso que foi combinado conosco, trabalhadores da undécima hora.

Deus não tolera indolência e apatia, que, aos olhos do Senhor, são maneiras de sabotar a obra, prejudicar seus filhos e cumprir os desígnios do inimigo. (D&C 58:29 LDS)

Lamã e Lemuel, irmãos mais velhos de Néfi, usaram de indolência e apatia como forma de sabotar um projeto de Deus, ou seja, a construção do navio que os levaria à terra prometida (1Né17:49). Em consequência de suas ações, foram sacudidos pelo Senhor em repreensão por se recusarem a trabalhar diligentemente e apoiar a Sua palavra e vontade revelada ao profeta (1Né17:54).

Qual seria a forma do Senhor nos sacudir atualmente, se formos de igual modo indolentes e apáticos?

Em conversa com o profeta, eu, Gleuton França, compartilhei com ele um pensamento sobre a grandeza espiritual do Pres. John Pratt e o quanto ele poderia contribuir, se em vida ele permanecesse. Fiz a seguinte pergunta: “Por que o Senhor chamou o irmão Pratt já idoso e permitiu que ele servisse somente por três anos e já o chamou para junto de Si?”. Ao lerem minhas palavras, conseguem sentir o que o Senhor me respondeu? A oferta foi dada. O arado foi lançado. Os frutos foram recolhidos ao celeiro na medida que estava reservada ao Pres. Pratt (Jacó 5:75) Fiz-me então a seguinte pergunta: “Faria então alguma diferença se ele tivesse sido chamado na primeira hora ou tendo sido chamado na última?”. A resposta é óbvia.

Na quinta conferência da Igreja de Cristo, o Senhor se pronunciou em revelação ao Seu profeta, irmão Maurício A. Berger, e, novamente, nomeia aqueles que servem como trabalhadores da minha vinha. Deus reorganizou ofícios, mordomias e designou a muitos a porção devida da obra que deles espera. No entanto, Ele faz uma advertência a eles e que pode ser estendida a todos que são chamados ao trabalho:

Acautelai-vos daqui por diante; pois eis que passo por alto vossas transgressões e apago os vossos erros de diante dos meus olhos, contanto, que a partir de agora, se tornem exímios cumpridores de minha palavra e de minha vontade, por intermédio de meu fiel mordomo, Maurício Artur Berger — E eis que, se assim procederem, pecado algum vos será imputado, por causa das aflições e constantes orações de meu servo Maurício, em vosso favor.”

O Senhor disse também naquele dia que tais mordomias, caso não fossem exercidas com esmero e afinco, não seriam para eles um privilégio e honra, mas motivo de maldição e condenação aos olhos Daquele que tudo vê.

No contexto dos últimos dias, tal advertência deixa claro que não haverá um novo convite, uma nova mão estendida, uma nova oportunidade de fazer mais, melhor e bem feito, “pois eis que este é o tempo para os homens executarem seus labores” (Alma 34:32).

Na revelação, o Senhor usou o termo exímio, o qual remete a um padrão superior de excelência. Ainda no livro de Alma lemos sobre os guerreiros de Helamã, os quais, face a face com a morte iminente, “obedeceram a cada palavra de comando com exatidão”. (Alma 57:20-21). Quais teriam sido as consequências para eles se tivessem agido com morosidade, apatia e lentidão em obedecer aos comandos? Lembremos mais uma vez do Pres. Pratt. Qual teria sido o galardão dele perante o Senhor se sua postura face à obra tivesse sido resumida desta forma? -morosa, apática e lenta. Haveria tempo e oportunidade para agir diferente?

Ficou claro para mim que, exímia obediência combinada com exatidão em cumprir a palavra e vontade do Senhor por intermédio de Seu profeta é de extrema importância espiritual.

Que possamos servir e sirvamos dessa forma! Que nosso afinco e sentimentos derivamos de Deus nos qualifiquem a obter a graça e o selo aprovador de nosso trabalho na vinha do Senhor. E que jamais o Senhor nos diga, tal como Ele disse a Moisés, referindo-se ao modo de agir do povo com murmurações e maus sentimentos, os quais resultaram na perda do sacerdócio maior entre eles.

“E eis que não sois dignos de tamanha grandeza, porquanto almejei obter um povo para o meu nome, uma propriedade que Eu pudesse chamar de minha, uma nação de sacerdotes; mas esses não se qualificaram nos dias de Moisés.

Eis que, para esse fim prosseguirei trabalhando; e, ao final de tudo, quando na plenitude dos tempos Eu vier, então hei de encontrar sobre a terra um povo pronto a me receber. Amém” (Moisés 17:22-23)

Acautelai-vos daqui por diante”, disse o Senhor.

pt Português
X